Arquivo Distrital de Viseu [ADVIS]

Logótipo do Arquivo Distrital de Viseu [ADVIS]

Fundação: 1932
Sede: Viseu
Contactos:
* Site Institucional: http://advis.dglab.gov.pt/
* E-mail: mail@advis.dglab.gov.pt
* Tel.: 232 003 200
* Fax: 232 003 201

Descrição

O Arquivo Distrital de Viseu é o principal receptáculo da documentação que permite reconstituir a história do distrito. Foi criado pelo Decreto-Lei n.º 20803 de 22 de Janeiro de 1932, que, nos termos do seu art.º 3.º, o destinou a “recolher, instalar, inventariar e facultar à consulta dos estudiosos os seguintes núcleos documentais: a) Cartulários e outros códices, pergaminhos e papéis avulsos dos cartórios da Sé e do Cabido ; b) Documentos da Câmara Eclesiástica; c) Cartórios paroquiais ; d) Cartórios notariais ; e) Cartórios judiciais (processos – crime, cíveis e orfanológicos findos); f) Papéis dos extintos mosteiros ; g) Documentos das congregações religiosas extintas em 1911 ; h) Papéis das repartições extintas e serviços cessantes; i) Todos os outros documentos que, nos termos da lei geral do País, devem recolher aos arquivos do Estado”.
Até ao ano de 1962, localizou-se numa das torres da antiga muralha, junto à galeria que se liga aos claustros superior da Sé. Por decreto-lei de 1955, ficou determinada a cedência ao Estado, pela Câmara Municipal, de parte do edifício conhecido por “Casa Amarela”. Desde 5 de Maio de 1962, ocupa 3 pisos (2 em parte) do edifício conhecido por Casa Amarela, no Largo de Santa Cristina ou Alves Martins, quando passou a partilhar com a Biblioteca o solar do século XVIII. Um protocolo assinado em Dezembro de 1993 visa a reinstalação do Arquivo Distrital na totalidade do espaço do dito edifício, quando a Biblioteca dispusesse de novas instalações (a actual “Biblioteca Municipal D. Miguel da Silva”, inauguradas a 31 de Maio de 2002).

MISSÃO: O ADVIS tem como missão promover a execução da política arquivística distrital, de acordo com as orientações protagonizadas pela DGARQ, salvaguardar e valorizar o património arquivístico de interessa histórico, promover a qualidade dos serviços, apoiar tecnicamente a organização de arquivos públicos e privados e promover a divulgação cultural e educativa no âmbito dos arquivos.

COMPETÊNCIAS: Conforme estipulado pelo Decreto-Lei n.º 93/2007 de 29 de Março, é um arquivo de âmbito regional, dependente da Direcção-Geral de Arquivos (DGARQ), serviço da administração directa do Estado, tutelado pelo Ministério da Cultura. As principais competências do ADVIS estão consignadas no Decreto-Lei n.º 149/83 de 5 de Abril, diploma que estabelece o regime jurídico dos arquivos distritais, bem como no Despacho n.º 18 834/2007, de 22 de Agosto, do Director-Geral de Arquivos.

Directores

Álvaro Ferreira Matos (1932 – 1937)
Raúl Gomes Aparício – Conservador (servindo de Director) (1937 – 1938)
Carlos de Almeida Correia (1938 – 1944)
Raúl Gomes Aparício – Conservador (servindo de Director) (1944 – 1945)
Alberto Alves dos Santos Pacheco (1945 – 1958)
Raúl Gomes Aparício – Conservador (servindo de Director) (1958 – 1967)
Fernando Augusto de Barros Russell Cortez (1967 – 1983)
Maria Fernanda Sombreireiro Falcato Henriques Mouta – Conservadora (servindo de Directora) (1983 – 1984)
Maria Dulcineia Martins Branco Cabral de Sena (1984 – 1998)
Maria das Dores Almeida Henriques (1998 – )

…na Feira de São Mateus

O Arquivo Distrital de Viseu, por via dos seus directores, responsáveis e colaboradores, apresenta um longo historial de participação na FSM, seja pela integração ou manutenção de representação própria no certame, seja por via da disponibilização ou apresentação inédita de documentos e demais fontes que contribuam para o conhecimento da própria História da FSM.

Uma das actividades realizadas no âmbito e durante o próprio certame foi a exposição “O Passado no Presente“:

A realização de exposições integra o plano de divulgação do ADV, visto que permite dar a conhecer a um universo mais lato de cidadãos o nosso património documental. Do vasto espólio que constitui o acervo documental do arquivo, foi seleccionada uma minoria que se pretende elucidativa da sua variedade e conteúdo. Este conjunto de documentos, constituído na sua totalidade por cópias dos originais, estará patente, de 7 a 21 de Setembro de 2001, no Salão de Exposições da Feira de S. Mateus, em Viseu. Convidamo-lo a visitar a nossa exposição documental intitulada “O Passado no Presente”. No presente, construa com o passado, as memórias para o futuro. (HENRIQUES, 2001a; p. 1)

. Da exposição resultou um catálogo, tal como dá nota o Boletim Informativo N.º 8, do Arquivo Distrital de Viseu, na sua página 4.

Fontes e Referências

* ADVIS – Exposição documental “O Passado no Presente : Catálogo. Viseu: ADVIS, 2001.
* HENRIQUES, Maria das Dores Almeida (Coord.) – ADVIS – Boletim Informativo. N.º 7. Viseu: ADVIS, 2001 (3º T.).
* HENRIQUES, Maria das Dores Almeida (Coord.) – ADVIS – Boletim Informativo. N.º 8. Viseu: ADVIS, 2001 (4º T.).
* HENRIQUES, Maria das Dores Almeida (Coord.) – ADVIS – Boletim Informativo. N.º 12. Viseu: ADVIS, 2002 (4º T.).
* Cultura Judaica em Viseu; in HENRIQUES, Maria das Dores Almeida (Coord.) – ADVIS – Boletim Informativo. N.º 37. Viseu: ADVIS, 2009 (1º T.). Pp. 3-4.

Autoria do Artigo

M.D.A.H.

Sidebar