Cartaz Oficial [FSM 1962]

Cartaz – FSM 1962 [?]
Autoria: António Batalha [iniciais no cartaz]
Data: 1962-08
Edição: [ND]
Impressão: Litografia Progredior [Porto; 1000 exemplares]
Dimensões (cm): [ND]
Proveniência/Propriedade: Viseu Marca [acervo fotográfico]

Descrição

O cartaz FSM de 1962, reproduzido, apresenta duas características que o destacam. A primeira reflecte-se no facto de, pelas características gráficas e assinatura aposta, se integrar no conjunto de cartazes cuja autoria pode ser reconduzida até António Batalha, quanto ao qual, e em particular se se lhe consignar um outro conjunto, de elementos gráficos – fotografias – utilizados nas publicações assumidas como oficias, interior de elementos de comunicação vários, e capas de elementos de comunicação (nomeadamente quanto a revistas, consideradas na linha das não-oficias, na terminologia aqui seguida); se traduzir como o mais relevante dos autores que contribuíram para grafar uma imagem institucional da FSM. Aqui, concordando-se e reforçando o que é referido por MAGALHÃES (CORREIA e MAGALHÃES, 2009, Pp.33):

Neste ponto, notemos a colaboração de António Batalha na preparação anual dos cartazes da feira, que, refira-se, não se esgotou nos anos de 1949 e 1963. Pelo contrário, a participação deste artista viseense fora recorrente não só no certame setembrino, como nas festas da cidade, elaborando o cartaz de apresentação do evento no ano de 1972.

A segunda característica, é o facto de não ter sido publicado na obra de CORREIA e MAGALHÃES (2009), ainda que fosse, então, conhecido.

Sem ter sido possível garantir a evidência de uma existência física nos acervos institucionais, a imagética da FSM de 1962 torna-se, deste modo uma curiosidade. No cartaz em apreço, pelo motivo ulterior de representar a data do certame como entre 6 de Setembro e 30 de Outubro, o que tornaria a edição de 1962, como a mais longa das edições da FSM, com 55 dias. Tal é, de resto, negado pela brochura “Feira de S. Mateus” (1962), contendo o programa da Feira e, em capa, indicando expressamente as datas de 6 de Setembro e 30 de Setembro como as da realização do certame.
No entanto, uma cronologia errónea não limita o interesse deste exemplar (que carece ainda assim de análises mais alongadas), quer pela questão da autoria, quer pela tipologia gráfica de representação (os elementos artesanais de barro, a capuchas, o brasão da cidade), podendo, para já, assumir-se a hipótese da indicação da data como uma impressão com erro, que eventualmente (não se conhece outro cartaz para o ano em causa) se traduziu na remoção ou não distribuição dos exemplares impressos.

Fontes e Referências

* CORREIA, Alberto e MAGALHÃES, Vera – “Feira de S. Mateus. Os Cartazes.“. Viseu: Câmara Municipal de Viseu/Expovis, 2009.

Sidebar